O primeiro voo de Santos Dummont com o 14 Bis

No dia 23 de outubro de 1906, Santos Dummont alçou voo pela primeira vez com seu avião, o 14 Bis. Desta forma, entrou para história ao fazer do 14 bis o primeiro objeto mais pesado que o ar a voar sem a ajuda de impulsos externos.

O primeiro voo ocorreu nos campos de Bagatelle, em Paris, fazendo com que o imenso público que ali estava ficasse boquiaberto. O episódio foi amplamente divulgado, com grande admiração em todo o mundo. As fotografias tiradas no dia serviram de registro para que todos os jornais acreditassem na façanha realizada pelo brasileiro.

Alemanha invade a Polônia: começa a Segunda Guerra Mundial

Alemanha invade a Polônia: começa a Segunda Guerra Mundial

Soldados alemães cruzam a fronteira com a Polônia no dia 1 de setembro de 1939.

Soldados alemães cruzam a fronteira com a Polônia no dia 1 de setembro de 1939.

No dia 1º de setembro de 1939, uma semana após a Alemanha nazista e a União Soviética assinarem um pacto de não-agressão (Pacto Molotov-Ribbentropp), mais de um milhão de soldados alemães, apoiados por cerca de 50.000 soldados eslovacos, invadiram a Polônia. Dois dias depois, Inglaterra e França declararam guerra à Alemanha, dando início à Segunda Guerra Mundial. Os soviéticos, neutros no conflito até então, invadiram o leste do território polonês duas semanas depois com mais de meio milhão de tropas.

A Invasão da Polônia

Às 4h45min do dia 1 de setembro, o encouraçado alemão SMS Schleswig-Holstein abriu fogo contra guarnições polonesas em Danzig (conhecida como “corredor-polonês”). Horas depois, a Wehrmacht iniciou o avanço terrestre. O objetivo da invasão à Polônia foi a busca do lebensraum, ou seja, o território necessário para a expansão do Reich. A ofensiva alemã demostrou a força avassaladora da Blitzkrieg (Guerra Relâmpago) que, aliada à tropas muito bem treinadas e equipadas, avançou rapidamente sob território polonês e alcançou a capital Varsóvia no dia 10 de setembro. Durante os ataques, praticamente não se fez nenhuma distinção entre militares e civis, incluindo mulheres e crianças. Apesar da resistência determinada, as forças armadas poloneses foram impiedosamente esmagadas nas duas frentes de batalha.

Tanque alemão avança sobre o território polonês.

Tanque alemão avança sobre o território polonês.

Luftwaffe (Força Aérea Alemã) ataca posições inimigas.

Luftwaffe (Força Aérea Alemã) ataca posições inimigas.

Aviador alemão ataca posições inimigas durante a invasão da Polônia.

Aviador alemão ataca posições inimigas durante a invasão da Polônia.

Ruínas de uma ponte destruída por tropas alemãs perto de Sochaeczew, Polônia, 1939.

Ruínas de uma ponte destruída por tropas alemãs perto de Sochaeczew, Polônia, 1939.

Cidades polonesas são deixadas em ruínas durante a invasão alemã.

Cidades polonesas são deixadas em ruínas durante a invasão alemã.

Ruínas perto da cidade de Varsóvia em 1939. A placa indica a direção da frente de batalha. Foto: Hugo Jaeger.

Ruínas perto da cidade de Varsóvia em 1939. A placa indica a direção da frente de batalha. Foto: Hugo Jaeger.

Parada da vitória alemã nas ruas de Varsóvia, 1939

Parada da vitória alemã nas ruas de Varsóvia, 1939. Foto: Hugo Jaeger.

Adolf Hitler durante a parada da vitória da Alemanha sobre a Polônia em Varsóvia. Foto: Hugo Jaeger.

Adolf Hitler durante a parada da vitória da Alemanha sobre a Polônia em Varsóvia. Foto: Hugo Jaeger.

Poloneses enterram seus entes queridos em parques e ruas de Varsóvia após a invasão da Alemanha. Parada da vitória alemã nas ruas de Varsóvia, 1939. Adolf Hitler durante a parada da vitória da Alemanha sobre a Polônia em Varsóvia. Foto: Hugo Jaeger.

Poloneses enterram seus entes queridos em parques e ruas de Varsóvia após a invasão da Alemanha.

Albert Gerald Lewis, um dos maiores áses da RAF

O oficial aviador Albert Gerald Lewis, um dos maiores áses da RAF – Royal Air Force (Força Aérea Real Britânica) é fotografado aos 22 anos ao lado de seu avião. O piloto sul-africano abateu pelo menos 28 caças da Luftwaffe (Força Aérea Alemã), incluindo um feito memorável em sua carreira: em um período de apenas seis horas, Lewis obteve êxito em abater seis caças inimigos.

Albert Gerald Lewis

Lewis entrou para a Royal Air Force com apenas 20 anos e se tornou um dos maiores áses da Batalha da Inglaterra. Antes de ser abatido em Lille (França) no dia 19 de maio de 1940, Albert Lewis abateu cinco aeronaves inimigas. Em junho de 1940 ele foi premiado com o Distinguished Flying Cross (DFC), condecoração intentada por “um ato ou atos de bravura, coragem ou a devoção ao dever, durante voos em operações ativas contra o inimigo”.

A Batalha da Inglaterra

Nos meses de julho e de agosto de 1940, uma série de batalhas aéreas pelo controle do Canal da Mancha entre a Luftwaffe e a RAF proporcionou tons dramáticos à Batalha da Inglaterra. No dia 20 de agosto de 1940, Winston Churchill, durante um discurso na Câmara dos Comuns, proferiu a célebre frase:

“A gratidão de todos os lares em nossa ilha, em nosso Império e certamente no mundo inteiro, exceto nas casas dos culpados, vai para os aviadores britânicos que, sem se intimidarem com as probabilidades, incansáveis em seu desafio constante e perigo mortal, estão virando a maré da Guerra Mundial com sua bravura e devoção. Nunca antes no campo dos conflitos humanos, tantos deveram tanto a tão poucos. Todos os corações estão com os pilotos de caça, cujas brilhantes ações que vemos com nossos próprios olhos dia após dia, nunca deveremos esquecer, noite após noite, mês após mês, nossos esquadrões de bombardeiros viajam para a longínqua Alemanha, encontrando seus alvos na escuridão por sua grandes habilidades de navegação, apontando seus ataques, muitas vezes sob fogo pesado, muitas vezes com perdas graves, com deliberada e cuidadosa discriminação, infligem golpes devastadores sobre toda a estrutura técnica e bélica do poder nazista….”

Foto: William Vandivert—The LIFE Picture Collection/Getty Images

Armeiros da Royal Air Force recarregam os aviões de combate

Três armeiros, chamados de “plumbers” (encanadores), recarregam oito metralhadoras dos aviões Hurricane com cinturões de munição. Cada arma é municiada com 300 balas, o suficiente para durar até 15 segundos de disparo. Cada avião da Royal Air Force (Força Aérea Real Britânica) possuía até doze homens em terra responsáveis pela sua manutenção.

A Batalha da Inglaterra

Nos meses de julho e de agosto de 1940, uma série de batalhas aéreas pelo controle do Canal da Mancha entre a Luftwaffe e a RAF proporcionou tons dramáticos à Batalha da Inglaterra. No dia 20 de agosto de 1940, Winston Churchill, durante um discurso na Câmara dos Comuns, proferiu a célebre frase:

“A gratidão de todos os lares em nossa ilha, em nosso Império e certamente no mundo inteiro, exceto nas casas dos culpados, vai para os aviadores britânicos que, sem se intimidarem com as probabilidades, incansáveis em seu desafio constante e perigo mortal, estão virando a maré da Guerra Mundial com sua bravura e devoção. Nunca antes no campo dos conflitos humanos, tantos deveram tanto a tão poucos. Todos os corações estão com os pilotos de caça, cujas brilhantes ações que vemos com nossos próprios olhos dia após dia, nunca deveremos esquecer, noite após noite, mês após mês, nossos esquadrões de bombardeiros viajam para a longínqua Alemanha, encontrando seus alvos na escuridão por sua grandes habilidades de navegação, apontando seus ataques, muitas vezes sob fogo pesado, muitas vezes com perdas graves, com deliberada e cuidadosa discriminação, infligem golpes devastadores sobre toda a estrutura técnica e bélica do poder nazista….”

Foto: William Vandivert—The LIFE Picture Collection/Getty Images

Pilotos e membros da tripulação aérea da RAF correm para seus aviões

Pilotos e membros da tripulação aérea se dirigem para seus aviões durante a batalha da Inglaterra, no aeródromo do Centro de Combate da RAF (Royal Air Force), em 1940.

O esforço dos pilotos da RAF durante a Batalha da Inglaterra

Nos meses de julho e de agosto de 1940, uma série de batalhas aéreas pelo controle do Canal da Mancha entre a Luftwaffe e a RAF proporcionou tons dramáticos à Batalha da Inglaterra. No dia 20 de agosto de 1940, Winston Churchill, durante um discurso na Câmara dos Comuns, proferiu a célebre frase:

“A gratidão de todos os lares em nossa ilha, em nosso Império e certamente no mundo inteiro, exceto nas casas dos culpados, vai para os aviadores britânicos que, sem se intimidarem com as probabilidades, incansáveis em seu desafio constante e perigo mortal, estão virando a maré da Guerra Mundial com sua bravura e devoção. Nunca antes no campo dos conflitos humanos, tantos deveram tanto a tão poucos. Todos os corações estão com os pilotos de caça, cujas brilhantes ações que vemos com nossos próprios olhos dia após dia, nunca deveremos esquecer, noite após noite, mês após mês, nossos esquadrões de bombardeiros viajam para a longínqua Alemanha, encontrando seus alvos na escuridão por sua grandes habilidades de navegação, apontando seus ataques, muitas vezes sob fogo pesado, muitas vezes com perdas graves, com deliberada e cuidadosa discriminação, infligem golpes devastadores sobre toda a estrutura técnica e bélica do poder nazista….”

Foto: William Vandivert-The LIFE Picture Collection / Getty Images